domingo, 26 de maio de 2024

Há quase um mês que não escrevo uma linha no blogue, vida agitada e problemas de saúde, mas vamos andando,  Vou agora recomeçar este depósito de memórias, eu escrevo isto para mim mesmo, mas se alguém  ler  não afecta aquilo que pretendo escrever.

.... 

Coisas a repensar

Andou toda a comunicação social envolvida nos  disparates que Marcelo Rebelo de Sousa, que até é o nosso Presidente da Republica,  tem andado por aí a dizer. O mais sério é sobre eventuais  compensações  às antigas colónias por danos ou outros malefícios que tenhamos cometido enquanto potência colonial.

Que fique bem claro, eu sou anti-colonialista, sou o mais ferrenho anti-escravatura -mas as coisas têm que ser esclarecidas  sem extremismos nem excessos de nacionalismo ou, pelo contrário, sem excesso de aceitar culpas. O colonialismo foi um período histórico para Portugal e os outros países europeus, não cometemos mais atrocidades que todos os outros, então os espanhóis fizeram grandes barbaridades - só que todos esses países descolonizaram em pleno século XX  e nós, não. E no entanto demos o exemplo no século XIX com a independência do Brasil.  

O lado criminoso do nosso colonialismo  surge com Salazar e as suas "províncias ultramarinas", negando o direito às colónias à sua independência -  uma saloiíce estúpida e atrasada que só podia ter vindo duma mentalidade congelada no tempo como era a do ditador português. E tantos milhares, como eu, batemos com as costas em África numa guerra sem qualquer justificação- e tantos morreram por isso sem saberem porquê..

Colonos e colonizados existem desde que o homem é homem em sociedade; para falar só do chamado Ocidente, nos nossos inícios de Grécia  e Roma ambas tiveram colónias e ocuparam territórios de outros povos, antes deles os fenícios fizeram o mesmo.  Historicamente foi um processo de expansão dos povos -  e com a abertura de ideias dada pelo  Renascimento os portugueses iniciaram as suas navegações e, é verdade,  deram "novos mundos ao mundo", sem qualquer carácter pejorativo. Graças aos avanços científicos e tecnológicos conseguimos ir a terras e povos que, claro, já existiam mas de  que o mundo ocidental de então não tinha cabal conhecimento, "descobrimos"  porque fomos até lá - não foram eles,  esses povos africanos e asiáticos, que vieram até cá. Não se pode hoje negar o que foi essa epopeia  tantos séculos atrás.

O que nós devemos comemorar não são tanto os "descobrimentos" em si , foram antes as nossas navegações, o nosso contributo para se navegar para lá da "costa à vista" ; e não fomos  só para África e Ásia, fomos para as Américas, pouco se fala das nossas idas ( sem sucesso de retorno, é verdade) para o Canadá.

Temos de repetir o aforismo de que não se pode julgar a História com os olhos de hoje, o que era natural e aceitável deixou de  ser - verdade de La Palice, não ?

A escravatura foi uma prática mundial e aceite pelas regras de todos os povos e países, Karl  Marx estudou-a e coloca-a como uma fase do desenvolvimento da economia. Todos os povos e todas  as religiões  conviveram  e praticaram a escravatura, muito antes da nossa herança grega e romana - chineses e  japoneses,  Istão, Cristianismo   e animistas, todos aceitaram e negociaram a escravatura.

Vou contar a minha experiência : certa vez estava na ilha de Gorea, em frente a Dakar, no Museu da Escravatura, apenas dois portugueses  - eu e minha mulher-  num grupo de franceses; o cicerone falava dos escravos e apenas nomeava os portugueses. No fim pedi a palavra e no  meu francês arrevesado, disse-lhe que ali no salão estava um painel com os nomes dos principais negreiros que iam à ilha, eram ingleses, holandeses, franceses e nenhum nome português.  E havia outro painel com os nomes das principais figuras históricas que visitaram a ilha e ...eram só portugueses, desde Pedro Álvares Cabral ate á Dª. Maria quando vinha do Brasil para ser rainha em Portugal. Atrapalhado o homem  disse que os portugueses  era pequenos negociantes e não ficou nenhum nome em especial, mas por outro lado só  alguns portugueses que ficaram na História é que se abeiravam daquela ilha.

 Então eu saí-me com uma que deixou o pessoal todo estupefacto, quando lhe disse: as caravelas portuguesas que chegavam às praias para embarcar escravos, não desembarcavam  tropas que invadissem o território e arrebanhassem os escravos,  nada disso - eram os chefes das aldeias que os traziam acorrentados e os vendiam aos negreiros. Nunca vi até hoje nenhum chefe ou político africano pedir desculpa aos seus povos  por terem vendido os seus irmãos, séculos atrás. O homem ficou embatucado e nem respondeu. Claro que também houve algumas investidas terra dentro mais tarde quando já dominávamos as colónias, e fizemos escravos; claro que nós fomos grandes traficantes, levámos  milhares de seres humanos para  as Américas, mas era a prática histórica, os holandeses fizeram o mesmo atrás de nós,  os espanhóis ainda pior, 

Mas os gregos e os romanos pedem desculpa por, na sua altura própria. terem feito escravos? Os muçulmanos alguma vez pediram desculpa pela escravatura que praticaram durante séculos até quase aos nossos dias ? 

O espólio cultural que existe por cá, possivelmente algum dele, ao longo dos séculos,  foi trazido muito dele sem compra ou comprado ao desbarato. Eu estive em Angola na guerra colonial, não se roubavam obras de arte, como as esculturas, aos seus proprietários ou artesãos , eram comprados. Isto não exclui que tenha havido abusos - talvez seja possível em alguns casos apurar a verdade.

Mas nestes 50 anos desde a independência das antigas colónias nunca houve da parte de qualquer delas, mesmo quando tinham governos declaradamente comunistas, qualquer reivindicação, e as relações dos povos connosco sempre foram as melhores - e isto apesar da estúpida guerra que travámos durante tantos anos. Estiveram cá este ano de 2024 os Presidentes das antigas colónias a festejar o 25 de Abril e nenhum deles se referiu minimamente a qualquer reclamação.

Eu andei alguns anos  em trabalho pela Guiné e sempre fui recebido como amigo pelas pessoas e pelos chefes das aldeias, os administradores dos Concelhos faziam uma festa quando eu os ia cumprimentar. Nunca senti a mínima animosidade e sei de tantos técnicos e cientistas que passaram  anos e anos por lá nas melhores das disposições de quem os recebia e ainda recebe. E S.Tome  e Cabo Verde são realidades diferentes das outras colónias.

Por isso  foi extemporâneo que o Marcelo tivesse vindo falar no assunto e nesta altura; claro que propor uma política de facilidade de vistos ou até abolição em alguns casos, o apoio a programas internacionais de ajuda económica, é uma coisa, mas falar em reparação da forma em que ele falou foi um mero  golpe de (mau) teatro para parecer progressista - coisa que ele não é. Pronto!





quinta-feira, 25 de abril de 2024

 Não esquecer

Neste dia devem ser evocados os últimos mortos pela PIDE, pelos tiros disparados da sede para os cidadãos que estavam na rua. Cobardes até ao fim. Não esquecer essas últimas vítimas do velho e nojento Estado Novo

25 de  Abril de 1974 - há 50 anos

Aquele dia em que tudo mudou. Foram 50 anos de prática democrática impensável quando eu já  ia nos meus  30 anos de idade... 

E para ilustrar as incongruências que se multiplicaram ao longo destes anos, estamos agora com um Presidente da Republica totalmente pateta, incapaz  de saber estar no seu lugar. Passou-se...

E recordarei sempre aqueles meses magníficos do chamado PREC que eu tive o privilégio de viver nas ruas de Lisboa - as dores de um parto difícil, sem medo nem constrangimentos, 

segunda-feira, 15 de abril de 2024

 É demasiado evidente...

Estamos a assistir a uma  avalanche mundial das direitas, onde a direita democrática é nitidamente comida pelos vorazes paladinos do saudosismo, do quero posso e mando - como é que há tantas pessoas que em vez de um  regime em que podem discutir e viver  de acordo com o que cada um pensa, preferem ser mandados e falarem sob a batuta do maestro que os domina? Como é que se explica esta degenerescência  da vontade individual?

Àquela edição dum livro dedicado à família, com textos onde se misturam pessoas em princípio de raiz democrática mas conservadora, com outras que representam o mais arreigado atraso cultural e social, seguiu-se outro livro ainda mais incrível escrito por escribas a soldo do retrocesso ao 24 de Abril de 74, gente que anda por aí a usufruir desta liberdade para depois a destruir.

Eu nem publicito os livros para não contribuir para o seu conhecimento - aqui estou eu a cometer um acto de censura da minha parte, é certo, mas recuso liminarmente contribuir para o  avanço desta onda de direita reacionária.

Passos  Coelho ai está, como já se previa, ao ataque e à frente da direita mais  reacionária - que mundo vamos ter com esta avalanche depois da vitória ( quase certa) de Trump nos EUA? Que vai ser da Ucrânia e da Palestina?  Já se reparou como a China, qual coruja  silenciosa que mira do alto de um galho, se apronta para subir na cotação mundial?

Eu quero crer que mais uma vez a Europa, coração das liberdades liberais, vai poder guardar o essencial da herança que começou no Renascimento, depois no Iluminismo  e nas mentes de Diderot e dos outros pensadores  do Estado Moderno - porque a vontade geral apontada por Rousseau pode ser atacada periodicamente, mas permanecerá como matriz do Ocidente.

Talvez venha a escrever qualquer coisa sobre  estas tretas mais ou menos filosóficas...




domingo, 14 de abril de 2024

 Estamos num ciclo de grandes mudanças...

Quando parece que as coisas se vão compondo no mundo, irrompem aqui  e ali situações gravíssimas que comprometem a continuidade da paz - e sem a paz todas as loucuras são possíveis e como que se atraem umas às outras.

Depois é revoltante a hipocrisia dos Governos, e quanto maiores e mais poderosos pior.

Estamos a assistir a mais uma crise provocada em volta de Israel - e ia mesmo a dizer provocada por Israel - porque quando estes sionistas não fazem aparentemente nada de espectacular, eles estão diariamente a entrar nos territórios palestinos, constroem sem cerimónia novos colonatos nas terras que não são suas e de repente, quando há um excesso de barbárie dos islamistas extremistas, que não têm capacidade  de controlar os seus activistas ( nem vontade para o fazer) pois as violências sobre o povo que ali habita são diárias, tudo descamba para uma guerra do mais sujo que a Humanidade é capaz de urdir.

E todos os países sabem disso, desde os árabes a todo  Ocidente e a todo o mundo, afinal,  com particular relevância para os EUA que  protegem todas as investidas judaicas. Lá estão estas  palavras a parecerem  anti-semitas , mas eu sou tão anti judeu como anti islão ou anti cristão - culpa as tres religiões pelos muitos  males que ocorrem no Mundo desde há mais de 2 mil anos. 

Nestes dias está tudo a cair em cima do Irão por  ter enviado  misseis ou drones num ataque a Israel - mas não se viu o mesmo alarido quando Israel atacou uma instalação diplomática do Irão na capital de um terceiro país, matando sete pessoas dessa missão iraniana. Então depois de uma vergonha destas  alguém esperava que  o Irão ficasse de braços cruzados? Uma provocação daquele calibre apenas mereceu censuras fofinhas contra Israel: vá lá, não façam coisas dessas.

Nem me apetece  registar mais nada.

O Governo em Portugal

É tão anedótico este arranque do governo da direita, que enfastia. Agora ponham-se a pau que a direita a sério vem aí, ao primeiro grande tropeço do pateta do  "Montepreto", o Passos Coelho aí estará a dar cartas e  a levar o PSD ao colo com  os chegas e toda a ralé  direitista. Estejamos atentos e com paciência - paciência  porque estamos a pagar as asneiras cometidas pelo PS em anos seguidos, pondo em causa a ética republicana e o exemplo que a social democracia  devia dar aos povos de todo o mundo.

E o PSD que deixe de invocar a memória de Sá Carneiro, pois o PPD nada tinha a  ver com esta ideologia hoje praticada; todas  as ideologia democráticas foram progressivamente infectadas pelo vírus neo liberal  como diz o guru Fukuyama ninguém foge para sempre ao liberalismo este volta. Eu costumo dizer que é como a hidra, quando lhe cortavam uma cabeça nasciam logo outras...

Com esta subida da direita menos ou nada democrática estamos  a entrar na "modernidade", pois países onde seria inconcebível aqui há uma dez anos atrás termos a direita extremista no poder, lá  está agora. São ciclos das civilizações,


sábado, 30 de março de 2024

 Envelhecer

Não haja dúvida que envelhecer é tramado, não me venham  com  as tretas de que um velho é uma biblioteca, de que as recordações nos fazem viver, etc -  pois que remédio senão ter recordações, pois só se perdem com a alzheimer ou outra degenerescência aviltante!! E entretanto vão chegando maleitas, complicações, desconforto.

E a idade dá-nos para ir assistindo ao descambar deste mundo para uma situação de indescritível caos planetário, climático, civilizacional, situações que dificilmente encaixam no sentido de inteligência que seria de supor os homens desenvolverem.

Temos o mundo todo em guerra, até na Europa onde a besta do Putin não pára de aumentar o despotismo do seu regime - pobre povo russo que nunca conheceu outra sorte, talvez por isso já nem se mexa. Há por lá  uns "tontos" que têm a mania de serem democratas como naquele despudorado Ocidente e pagam com a prisão ou com a vida essa mania- sai-lhes cara a mania.

Por cá até a democracia começa a enjoar a muitos. Eu pasmo, com  pessoas com cultura e aparentemente com inteligência, que acreditam nos "chegas" e nas baboseiras dum bando de oportunistas que enchem as parangonas dos jornais e Tvs. 

Em todo o mundo surgem estes movimentos de extrema direita que, no entanto,  "jornalistas" fofinhos dizem que não são radicais,  são apenas de extrema direita "democrática" - nós, os da "esquerda" é que estamos formatados  pelo radicalismo. Atão não querem lá ver?

Será mais um ciclo da vida dos homens, que depois de anos de paz e abundância relativa, sucumbiram perante a corrupção, o compadrio,  a partidarite cerrada, tudo coisas que desvalorizam  a democracia. Surgem então os donos da verdade, com as  suas promessas de pacificação e retorno a uma vida correcta que no fundo significa apenas a abertura de um novo ciclo para novos "fregueses" chegarem ao pote!!

E pessoas que nós conhecemos há décadas, que são inteligentes mas certamente agarrados a problemas do foro íntimo que desconhecemos, aderem a estes novos propagandistas da verdade radical, onde a força impera e a liberdade passa para segundo ou terceiro lugar da  vida colectiva.

50 anos depois do Abril de 74 é triste ver que estamos no caminho da normalização duma direita radical que, se puder, anula tudo o que Abril de 74 nos trouxe. 

Estejamos atentos.




terça-feira, 19 de março de 2024


 
Novidade

Esta foto é de uma tília do meu jardim que, uma semana antes de começarem a abrir os botões das flores,  o que aconteceu com estes dois últimos dias de temperaturas elevadas, fez rebentar um grupo de folhas que, enormes, destoam na copa vazia... Não me recordo de alguma vez isto ter acontecido, normalmente abrem os gomos a pouco e pouco e rebentam folhas por toda a copa. Novidades  deste  clima...

segunda-feira, 18 de março de 2024

 Assim vamos nós, cantando e rindo, levados, levados sim...

Creio que era assim que começava o hino da Mocidade Portuguesa, que os deuses tenham bem guardado no arquivo morto ...- embora surjam agora, 50 anos depois do Abril 74, forças a invocar esse tempo.

É que continuamos a ser levados, levados sim, cantando e rindo, com outras patranhas e proclamações feitas com todo o descaramento

E o mundo, em mais uma das suas cíclicas rotações civilizacionais, vai trazendo ao de cima  o pior que as mentes humanas já produziram - ódios.  mentiras, simulacros de equilíbrio, falsas promessas de paz..

Veja-se bem que no democrático regime russo, o neoczar Putin voltou a ganhar eleições "livres" com quase 90% dos votos, garantindo assim, felizmente, a continuidade das amplas liberdades de que o bem aventurado povo russo  já está habituado...

Aliás é prática de muitos ditadores "fofinhos" estes simulacros de eleições. com os verdadeiros ditadores assumidos não havia cenas destas, fosse Franco, Pinochet, ou pior o Mussolini , Hitler... Já nós por cá tivemos durante quase 50 anos as nossas eleições de acordo com o calendário constitucional e tudo. E ganhava sempre o escolhido, com votações sensacionais!!

Continuo sem perceber porque é que os comunistas, que é  certo perderam o seu sol que brilhou durante a URSS, agora - só porque não suportam o imperialismo americano- se sintam irmanados com este novo czar que, ele e os oligarcas que o rodeiam, representam o mais descarado roubo do povo russo; ele que financia a Le Pen, apoia o Orban, interfere nas eleições dos EUA e apoia Trump - o que é que isto tem que ver com os ideais do marxismo-leninismo?

domingo, 17 de março de 2024

 Inimaginável carnificina

É o que continua a acontecer na Palestina, todos os dias. perpetrada por Netanyahu e os seus apaniguados com comportamento nazi - querem vingar-se nos palestinianos daquilo que os judeus sofreram às  mãos dos nazis alemães. A vingança sobre a barbaridade do Hamas está a contribuir  para que Israel se transforme num Estado pária e já ninguém se admirará se irromper uma nova vaga mundial de anti-semitismo.

O EUA vão ficar mesmo mal com a sua posição medrosa e sujeita ao dinheiro judeu que manda na América - e se Trump ganhar ( o que é quase certo, só um grande sobressalto do povo americano o poderia impedir) a situação vai piorar.

Ninguém me tira a ideia, mesmo que pareça teoria da conspiração, que o rebentar  do ataque do Hamas foi arquitectado pelo Irão e tem a ver com a guerra que a Rússia impõe à Ucrânia; nada melhor para ajudar a Rússia  do que desviar a atenção  e os esforços dos países ocidentais com  esta "guerra santa" contra Israel - que também calhou bem a Netanyahu porque  lhe deu o pretexto para se safar de ser julgado  por corrupção, e para arrasar a Palestina e ficar a ocupar todo o território, velho sonho sionista; os serviços secretos americanos avisaram um dia antes do que iria acontecer e Israel ficou de braços caídos...à espera.

Um dia vai-se saber a verdade disto tudo.


quarta-feira, 13 de março de 2024

 Ainda teria a sua piada...

E se os  3 deputados da emigração que faltam apurar caíssem todos no PS? O PS seria o Partido mais votado... mas sem maioria de esquerda.

terça-feira, 12 de março de 2024

 Portugal a entrar na "modernidade"...

Com estas eleições Portugal aproxima-se da modernidade, pois ainda é um dos países europeus com menor representação da extrema direita. Mas vamos a caminho...

Os "chegas" são a terceira força política, e o que nos tem valido é que, tirando  o cabeça, que é palavroso e tem boa figura, o resto dos "políticos" é medíocre até dizer chega!!

Aqui há uma dezena de anos atrás alguém pensaria que os "fachos" ascendiam ao governo em países como a Holanda ( uma sociedade tão drasticamente democrática!!), a Bélgica ou a Suécia? Mas o Estado Social nestes  países está de tal forma enraizado  que nem a direita radical o derruba.

 A França tem conseguido atrasar as forças atrás da Le Pen, a Itália não aguentou e lá estão os da extrema direita, mas com algo de especial,com atitudes até agora surpreendentes e aceitáveis... A Espanha também anda na corda bamba, a Alemanha vê-se em apuros para a controlar, na Hungria parece de pedra  e cal.

A Polónia foi um caso excepcional de recuperação da direita moderada, pode servir de inspiração..

Portanto estamos no bom caminho... e se juntarmos aos chegas a AdN, o Ergue-te e mais uns pozinhos espalhados por aí, a "coisa" começa a compor-se. 

Lá para o fim do ano com a eleição do Trump, o apoio do neoczar Putin e outras avantesmas teremos um belo futuro pela frente...

segunda-feira, 11 de março de 2024

 E cá temos a estratégia do  PR a dar frutos...

18 Partidos é obra! Como já  ontem citei Sartre,  quanto mais possibilidades e mais liberdade mais difícil  é a escolha.

Marcelo Rebelo de Sousa diz sempre nas entrelinhas ( para quem souber ler...)o que pretende e desta vez foi  claro ao aceitar a demissão de A. Costa e de um dia para o outro dizer que ia dissolver o Parlamento; nos subentendidos  das suas comunicações  conseguiu o  que sempre quis - colocar o seu Partido no Governo - lá que venha instabilidade não importa. importante é o PSD no Governo, e nos seus  últimos an0s de PR,

A. Costa não tinha que se demitir, apenas por uma suspeita lançada pelo MP e que até hoje, 4 meses depois, ainda não foi capaz de acusar de nada. Mas compreende-se que ele se quisesse demitir- o PR é que devia ter tido a integridade e independência de Jorge Sampaio quando, com a saída de Durão Barroso, deu posse a Santana Lopes porque a direita tinha maioria e prejudicou o PS que era o seu Partido. Marcelo nem deu tempo a uma reflexão, anunciou log0 a dissolução da Assembleia da República para garantir a ascensão - previsível - do PSD e da direita. Acho que é tão evidente que nem oferece dúvidas...

E agora vamos tirar as promessas a limpo, A esquerda soma 91 depurados, a direita soma 87 sem o Chega - portanto a AD só governa se juntar o Chega,  ficará com 127 deputados - altura de vermos agora se o Luis Montepreto mantém a afirmação reiterada de que nunca aceitaria os "chegas" no Governo. E ainda faltam 4 deputados da emigração que já não afectam o resultado final.

Foi a este caos que nos trouxe o pandemónio do caótico governo de A. Costa com maioria absoluta ...


domingo, 10 de março de 2024

 Que tempos estes...

Creio que foi Sartre que disse qualquer coisa como "quanto mais possibilidades e mais liberdades mais difícil é a escolha" - ora aqui estamos nós, portugueses hoje, com a "difícil" escolha entre 18 Partidos do mais largo espectro imaginável,  que escolha, hem?

Acabei de dar uma volta pela região Centro interior, que foi mais curta devido ao "mau" tempo que fazia - mau tempo para passeios mas tempo excelente para as nossas condições mediterrânicas, frio  e chuva a potes!!

Começa por nos chocar a paisagem onde quase só  há, em largas extensões, eucaliptais, uns a erguerem-se por terem ardido, outros prontos em boas talhadias  para serem cortados.  Mas os nomes dos lugares por onde se passa falam-nos de outras paisagens - "Carvalhos", "Carvalhais", "Salgueirais", etc.

 É impressionante o abandono das pequenas terras, despovoadas e sem qualquer vida; como  gosto de percorrer o país pelas velhas estradas, atravessam-se aldeias e vilas onde o que mais se nota é o número de casas fechadas ou em ruínas. E depois, já fora dos centros das povoações, surgem muitas casas "modernas" tipicamente de emigrantes que vieram construir a sua maison nos pedaços de terra que herdaram. Mas impressiona que fiquem fechadas  belas casas de granito, algumas meio solarengas que, se bem aproveitadas, dariam magníficas habitações.

Cabanas de Viriato é exemplar neste aspecto. Toda a povoação antiga está abandonada, casas grandes e pequenas de janelas entaipadas ou em ruínas; não há um café ou qualquer outra loja, não anda ninguém na rua, não se vê ninguém. Depois já fora, em redor, são muitas as casas modernas, surgem ruas a perspectivar novos bairros mas onde tudo está fechado. Até a célebre casa de Aristides Sousa Mendes continua com andaimes para abrir "brevemente"...

Falámos com um velho que, de porta aberta, bebia o seu café sentado a uma mesa, na escuridão dum interior isolado, e perguntámos-lhe porque não se via ninguém - "porque já não há aqui ninguém, estão as casas todas vazias", respondeu.

Nenhum Partido que me lembre falou deste abandono do interior, raros são os cartazes de propaganda que se vêem e os políticos não passaram por aqui, por estas aldeias onde realmente não vinham buscar votos- mas podiam ter falado do assunto... Em vez de parangonas com a "Coesão Territorial" , que apenas deu lugar a mais um tacho de ministro, se houvesse mesmo uma política de desenvolvimento  rural a paisagem seria outra por todo este belo Centro que poderia ser um exemplo de equilíbrio - não fosse a prepotência da industria da celulose e das grandes empresas agro-industriais a dominar as decisões dos governos deste pobre,  sim, pobre país!!  E ainda vêm os liberalistas. os libertinos dum partido que disso  se reclama, clamar por mais mercado livre e menos regulação. (Lá tive que assinalar um Partido, mas hoje a esta hora já não deve ser proibido...

Mas, pelo contrário, quem está uns anos sem ir a Viseu fica espantado com o progresso da cidade, que hoje se apresenta dinâmica, cheia de vida !

E ainda do lado bom, por este Portugal fora, para lá do abandono generalizado, ainda encontramos pedaços de maravilha. 

Perto de Penela, se começarmos a atravessar a serra de Espinal, estamos entre denso e selvagem carvalhal; viagem fora, desce-se até à ribeira da Azenha e temos um dos locais mais paradisíacos, preparado sem excessos para uns belos banhos no Verão em água a jorrar de cascatas  -e um pequeno restaurante onde se serve a melhor cozinha, que se possa imaginar,  da bela e antiga Beira Alta!

Tribunais Especiais

Há dias voltei  a cair na asneira de enviar uma carta ao director do Publico que, como é o mais comum, censurou e não publicou. Nela eu dizia que depois da 2ªGrande Guerra foi criado um tribunal especial para julgar os crimes contra a Humanidade perpetrados pelos nazis e que agora era tempo de criar dois novos tribunais desses, embora exista um Tribunal Penal Internacional.

Por um lado temos o neoczarismo soviético protagonizado por Putin, a cometer crimes depois de ter invadido um país vizinho e usando os mesmos argumentos que Hitler usou para invadir os seus vizinhos: proteger as populações germanófonas e aumentar o seu espaço vital,  agora este novo czar invocando a protecção das populações russófonas e o seu espaço vital, pois, disse ele, a queda da URSS foi a maior tragédia do século xx.

E agora pergunto eu aqui, qual é  a lógica dos comunistas, lá porque odeiam o imperialismo americano ( que afinal os deixa falar sem os prender ou mandar matar  "delicadamente") para apoiarem desavergonhadamente um Putin que nega qualquer democracia, que financia em França Le Pen e nos EUA o Trump? É uma democracia à moda putinesca que eles querem não é? Onde um só homem é que manda e os adeptos mais chegados  têm todas as benesses?

Só  um tribunal especial poderá um dia incriminar este facínora e os oligarcas que roubaram o povo russo, mesmo sabendo à partida que ele nunca irá comparecer num tribunal com a protecção que tem neste mundo dos "democratas"...

Por outro lado temos outro facínora chamado Netanayhu que, à frente do imperialismo sionista mais fascista de sempre, está a cometer uma carnificina na Palestina; já nada tem a ver com a guerra contra o Hamas nem como desforra da barbaridade que este grupo terrorista cometeu - o que se está a passar é uma  nítida estratégia de terra queimada para que Israel, Estado terrorista, fique senhor de toda a Palestina. Com os pedidos envergonhados e hipócritas de fim à guerra por parte dos EUA, dos ingleses e dos europeus em geral, Netanayhu está a fazer mais pelo fortalecimento do anti-sionismo do que alguém alguma vez foi capaz de fazer.

Só um tribunal especial poderá um dia jugar este facínora.

A democracia em que temos o privilégio de viver  está mesmo em perigo,   mais uma vez, com estas guerras, com a fome a matar milhões de pessoas nos países mais miseráveis onde também as guerras e os golpe de Estado se sucedem - seja no Haiti, seja no Sudão, Iémen, Somália, etc. 

Não suporto qualquer desculpa para cortar a liberdade - dentro da responsabilidade social- eu que já era bem adulto nem queria acreditar quando vi surgir esta liberdade que, mesmo numa democracia aleijada por políticos sem craveira, é melhor que qualquer ditadura seja a do Putin que os comunistas adoram ( eu ainda visitei democracias comunistas por essa Europa fora e vi...) seja a Argentina, a Venezuela  ou Cuba (onde já estive e vi a miséria como emblema nacional!!) 

O ser humano é autodestrutivo, nenhuma outra espécie se mata a si própria - não merecemos este planeta.













quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

 Para memória futura, aqui ficam os homens do Presidente


Lembram.se deles? Um ainda mexe e é a esperança da direita...

 As elites políticas ouvem-se umas às outras e não ouvem o povo, o populismo ouve ... disse Gilles Lipovetsky, e é mesmo verdade

terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

 Triste situação do Portugal de hoje...

Temos vindo a assistir a uma situação social no nosso País de que só me recordo algo semelhante nos velhos bons tempos do PREC; e digo bons velhos tempos porque nessa altura estávamos a aprender a viver em democracia. Hoje, para não ser demasiado dramático com adjectivos mais  sonoros,  acho que é um triste tempo.

Caos social que advém sobretudo da governação dos últimos dois anos (e ainda em funções graças á palhaçada arranjada pelo Marcelo para favorecer, encapotadamente,  a sua direita) do Governo de António Costa e. mas custa usar quase os mesmos argumentos  que a direita.

Médicos, professores, justiça, polícias em revolta permanente e agora até o exército!! Pasme-se !!

Para ter as "contas certas" como exige a deriva neoliberal que os Governos, sejam do PSD sejam -pasme-se outra vez !! - do PS  seguem há décadas, toda a estrutura da sociedade está em ebulição.  

Já escrevi uma vez e volto a repetir, António Costa pode ser um grande político no que isso quer dizer de saber negociar à esquerda e à direita,  cá dentro e na Europa - mas é mau governante. Mostrou o seu lado politico durante a geringonça em que teve de manter o equilíbrio com os parceiros da esquerda, donde resultou uma politica assistencialista, de cariz social, sim senhor, mas onde tudo o resto andou à deriva dos mercados desregulados. Aguentou maus momentos  desde a pandemia à guerra suja que a Rússia promove, mas  não fez o mínimo esforço para estabelecer politicas de médio e longo prazo, navegou a vista e de vista curta.

As escolas  estão a ficar sem professores - já se viu algum ministro ( quer queiram quer não os ministro estão em funções) falar? Mandam tudo para o Governo que vier a seguir, bela maneira de empurrar o assunto para  a frente com a barriga .

Há mais  de 1 milhão e meio de portugueses ma pobreza declarada e muitos milhares  mais na pobreza envergonhada - porquê ? com que solução à vista? Onde estão os ministros da Segurança Social  e das Finanças? Calados que nem ratos no buraco...

O salário mínimo vai crescendo, pouco mas lá vai,  e o salário médio vai ficando para  trás - vamos nivelando por baixo e custa a repetir  aqui o que a direita não se cansa de dizer - mas é verdade.

O SNSaúde está à rasca, funciona e até faz milagres graças a uma minoria de agentes (médicos, enfermeiros e outros profissionais)  que se esfalfam e mantêm o SNS a funcionar; ainda há dias a esposa de um médico meu amigo tinha um problema grave, foi a um conhecido e badalado Hospital  privado e disseram -lhe  que só resolvia aquilo no Serviço N Saúde onde haveria meios e especialistas para tratarem do caso.  É graças a estes exemplos que o SNS ainda não baqueou.

Aquela decisão de atribuir aumento de subsídio de risco à PJ foi tomada por Costa e a ministra da Justiça, nem sequer o ministro ida Administração Interna que tutela as outras polícias  foi chamado. Então um assunto destes não seria para tratar em reunião do Governo ou, pelo menos, com 2 ou 3 ministros mais directamente envolvidos? Um primeiro-ministro tão bom como se julga ser António Costa não foi capaz de prever o desastre que seria aumentar uns e não aumentar os outros ? 

Este gesto sem desculpa a está na base da insurreição geral dos corpos policiais, onde os "chegas" estão entranhados, não duvido, e que se atrevem a boicotar  as reuniões dos políticos, ameaçando boicote a eleições!!  É como se tivéssemos voltado ao PREC - tal como nesse tempo  são agora os tropas que ameaçam vir também  para a rua, se calhar voltam os SUVs, encapuçados, a gritar pelas ruas fora.

Quer policias quer militares são os portugueses autorizados  a usar arma pessoal . e que tal?  

Por isso  Portugal está hoje numa triste situação - e triste é a palavra menos ofensiva,,,

E ainda a procissão vai no adro...





segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

 

Esta nossa condição mediterrânica




O meio forma o homem.

Embora a cultura específica de cada grupo  crie diferenças identitárias -  e é assim que se formam nações e os povos adquirem as suas características nacionais - há uma formação subconsciente entranhada nas mentalidades e transmitida pelas gerações. que se deve à forma como o meio ecogeográfico, por sua vez condicionado pelas condições telúricas e climáticas, condiciona os seres humanos .

Quando há uns 5,6 milhões de anos a actividade tectónica fez romper o Estreito  de Gibraltar, o antigo mar interior  que se tinha formado quando desapareceu o Mar de Tétis e se transformara num grande lago salgado a evaporar rapidamente, tornou-se no Mar Mediterrâneo que chegou aos nossos dias.

A primeira fotografia é da floresta de folhosas do Líbano mas  que podia ser de certas formações da Península Ibérica; o primeiro  povoado é na Sicília e o outro no barrocal algarvio - podiam ser ambos da mesma paisagem - e podia apresentar aqui muitas imagens de outros aspectos da paisagem e do património.

O que estas imagens  procuram evidenciar é a unidade paisagística,  e que depois se torna num sentimento de pertença, que se vive neste cadinho de civilizações e culturas que é o Mediterrâneo, para  lá das divergências que outros valores, muitas vezes estranhos  ao meio, semearam ao longo dos séculos.

Quando viajamos pelo Mediterrâneo, mais no Ocidental mas também no Oriental, temos a sensação de estar em casa, até as diferenças nos parecem aceitáveis, compreensíveis - eu senti isso no Líbano ou na Argélia, na Grécia, na Sicília ou aqui em Marrocos.  Nós, aqui no sul da Ibéria, estamos geograficamente fora da bacia mediterrânica mas somos muito abrangidos ainda pela sua influência climática e florística, mas também cultural - dos povos que ao longo do Tempo connosco se cruzaram e connosco conviveram

Nestes tempos conturbados quer pela forças terrestres que modificam o clima com a cumplicidade gravosa dos homens quer pelas incompreensões de élites do Poder que se submetem muito mais às influências externas à região do que à consolidação  das conexões internas - o  que penso que será fundamental para o nosso futuro comum, que já estamos a viver em termos climáticos, ( quer gostem ou não os negacionistas) será explorar as convergências em direcção a uma verdadeira mediterraneidade.

Ao longo do Tempo os povos em volta deste grande mar -o Mare Nostrum, dos romanos - guerrearam, criaram arte, cimentaram civilizações, conheceram harmonia , o que não invalidou  guerras, raivas e lutas; sobre a mediterraneidade pairam a herança de Ur e de Uruk, ideia cósmica dos antigos egípcios, a religiosidade dos árabes e berberes,  o espírito  grego e a força dos latinos, a fúria dos otomanos - uma profusão de sentimentos que ultrapassou sempre as fronteiras desses povos.

O espirito mediterrânico foi exaltado por muito pensadores das duas margens e relembro Camus que falava do Nationalisme du Soleil, ou Teixeira Gomes que escolheu para exilio Bougie, na Argélia, e que encontrou no filósofo argelino Mohammed  Arkoun um acérrimo patrono, esse espírito existe e só precisa de ser consolidado.

 Apesar das guerras que ao longo dos  séculos violentaram as praias e as colinas, também houve tempo e espaço para se forjar a talvez  maior epopeia civilizacional do mundo - a paideia grega, a literacia de Alexandria, o genius de Roma, os cadinhos de ideias de Cirene ou de Siracusa, a expressão universalista que existe no islão como existia no Al Andaluz e depois desapareceu. Aqui se geraram as tres religiões monoteístas que nasceram do mesmo tronco comum e que este foi buscar muita da sua inspiração ao mais remoto da Humanidade, como em Gilgamesh - o tal de Uruk. a "cidade das grandes muralhas" e que partiu em busca do paraíso lá para o fim do Tibre e do Eufrates...

Religiões que fomentaram desavenças, guerras e conduziram a opções políticas divergentes e concepções filosóficas que acabaram por dominar grande parte do mundo e que mostram que a História  não se inventa  ou reinventa,  mas se escreve dia a dia e que as ideologias - ao contrário do que alguns apregoam- não são metáforas mas antes construções palpitantes que resultam da riqueza de opções que o ser humano cultiva no seu âmago.

Como Claudio Torres escreveu : " A consciência territorial do espaço geográfico é uma constante na tradição clássica mediterrânica"; e Mohammed Arkoun salientou que a tradição missionária cristã e o proselitismo islâmico são os dois grandes eixos do pensamento mediterrânico que atravessaram todas as culturas deste espaço geopolítico e, passo a passo, se  estenderam a todas culturas do mundo, mas foram usurpados por muitos Estados em prol da politização das crenças. Só pela abertura das mentalidades para uma leitura desapaixonada das duas correntes e pela ultrapassagem de erros de apreciação enraizados de ambos os lados, será possível chegar ao sucesso do entendimentos que está presente  nas populações de ambas as margens do grande mar e a elas é inerente.

Estamos mais uma vez num Tempo de convulsões planetárias e ideológicas que afectam de modo particular o Mediterrâneo e que nos apanham também a nós, aqui debruçados sobre o Atlântico; mas também é o Tempo de uma tomada de consciência sobre o destino que a todos diz respeito e que pode ajudar a consolidar o espírito da mediterraneidade como grande matriz de todos nós, os povos do Sul!






 

domingo, 18 de fevereiro de 2024

 Morte em estância de férias

A 16 deste mês ( soube-se, mas  terá  sido mesmo nesse dia...?) morreu um político russo, de seu nome NAVALNY, que estava a passar férias numa estância de turismo de Inverno na Sibéria.

Sendo  amigo do neo-czar soviético que reina na Rússia, imagina-se o desgosto que o dito czar,  de seu nome Putin, terá tido com um tão triste acontecimento.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2024

 Um consolo , em jeito de desculpa

Sou um beethoviano arreigado.  Quando ouço o Concerto nº 5 para piano, de Beethoven, atinjo uma enorme paz de espírito, aliás também com o Concerto para violino; não percebo nada de música, mas acho extraordinário que se tenha alcançado um tal grau de beleza acústica, por vezes há passagens apenas com 4 ou 5 notas mas alinhadas num ritmo e num tom tais  que parece...natural!

Foram ambos escritos entre 1806 e 1811,  sabendo-se que a surdez terá começado cerca de 10 anos antes  e foi sempre em crescendo, até que aquando da fantástica 9ª Sinfonia ele já estava surdo por completo;  e contam-se cenas da exibição dessa peça extraordinária com ele ao piano e sem saber que já teria terminado!

Agora tenho ouvido mais vezes estas e outras grandes composições do Mestre, e por isso acho que é em jeito de desculpa para não pensar noutras preocupações.

Ando estupefacto com a carnificina praticada por Israel na Palestina,  uma coisa inconcebível  em qualquer tempo fora do nazismo mas  muito mais neste século !! E ninguém trava o energúmeno  do Natanyahu ?

Só de pensar nos crimes do neo czarismo soviético na Ucrânia  e nesta carnificina sionista, penso que vou terminar os meus dias num clima de pandemónio  e tristeza.

Se houve um tribunal especial para julgar os nazis que cometeram o Holocausto, também  agora se impõe um novo tribunal para julgar Natanyahu e os seus comparsas, autênticos nazis em acção. 

Se nada desculpa a barbárie inicial do Hamas, por isso é um grupo terrorista, o que agora se está a passar na Palestina já não é  uma guerra de retaliação, é pura vingança e pretexto dos judeus - auto-convencidos da sua histórica autoridade e prepotência  reveladas sempre que tinham Poder -  para ocuparem toda a Palestina. Já em 1967 o General De Gaule, numa magnífica declaração que anda no you tube, previa que isso viesse a acontecer,  perante a passividade do resto  das nações; mas o que eu ainda volto a salientar é a hipocrisia dos países árabes que não mexem um dedo do seu efectivo poder para ajudar os palestinianos.





sexta-feira, 9 de fevereiro de 2024

 As tragédias continuam

a)- Tragédia 1

O neo-czarismo soviético ilustrado por Putin continua a evidenciar  uma arrogância que começa a cheirar a desespero,  quando este "exemplar " ditador maníaco (acredito que ele tenha graves problemas de personalidade) vem afirmar que não pode perder a guerra da Ucrânia ( olá, isso nem era de admitir!!...) e não tenciona atacar a Polónia nem os países bálticos - era mesmo só o que faltava para evidenciar  loucura  completa! Para justificar a invasão da Ucrânia já usou os argumentos de Hitler para invadir os países  em volta da Alemanha, que eram a protecção das populações germanófilas e a necessidade de ampliar o seu "espaço vital", só lhe falta desencadear uma guerra total.

A Rússia foi sempre assim, o povo russo levou sempre, através dos séculos, a lutar contra os  grandes senhores  que o escravizavam, sem sucesso; a resistência camponesa foi sempre decapitada por  quem explorava o trabalho dos campos, muito antes de qualquer industrialização. Levantamentos contra os boiardos e outras categorias de nobres latifundiários estenderam-se desde o século XV mas com especial gravidade  nos séculos XVII e XVIII. A mais sangrenta parece ter sido a chamada revolta de Moscovo de 1648, que se estendeu a diversas cidades por todo o império, mas sucederam outras revoltas ao longo do tempo pois os czares esmagavam algumas dessas resistências camponesas com uma ferocidade inaudita, segundo rezam as crónicas. Foi o que o regime soviético fez, com tanto orgulho dos comunistas pelo mundo fora -  durante décadas a Sibéria conheceu horrores e ainda hoje o neo-czar Putin segue esse exemplo. Com Navalny de férias na bela Sibéria,  acaba de proibir a candidatura  de um personagem que teve a  lata de ser contra a guerra, e então  os serviços encontraram  assinaturas ilegais no processo e isso é muito grave... basta para travar mais um atrevido.  Por cá, nos bons velhos tempos do Estado Novo que os "chegas" adoram, também  era assim,  quem diria  que se passava o mesmo que na democracia russa,.

2024 ameaça ser um ano terrível com estes exemplares  a mandarem  um pouco por todo o mundo, vem ai a seguir a eleição do Trump, enfim um Paraíso  na Terra.

b) Tragédia 2

O neo nazi israelita, primeiro ministro,  vai ficar na Historia por  ser o principal responsável pela nova vaga de anti semitismo que já se está a formar em todo o mundo e que Israel vai pagar caro no futuro, apesar do apoio semi-envergonhado dos EUA e dos governos europeus sob maior influência judaica como  Londres.

A destruição de Gaza e já da Cisjordânia é um acto premeditado para eliminar qualquer veleidade de reconstruir o país para o regresso das populações palestinianas, já ninguém se ilude a este respeito; é uma estratégia que serve os interesses  de Israel na Palestina, e o mundo está a assistir a essa estratégia sem fazer mais do que palavras de circunstância.  E como já escrevi antes,  os países árabes exageram na hipocrisia,  não fazem nada - é  que os palestinianos  são pobres, não têm petróleo.

Continuamos todos com as nossas vidas mais ou menos (des)organizadas, vamos tendo que comer e que beber ( embora a água comece a escassear...), e como  dizia há dias Jorge Moreira da Silva, a população de Gaza está presa num triplo sentido -não há refugiados porque as pessoas não têm para onde fugir - quando não são estilhaçadas morrem de fome  e de sede, incluindo milhares  de crianças certamente possíveis terroristas contra Israel e que deixam o Netanyahu ( e todos os sionistas. e todos os nossos governantes que já nem falam do assunto) nas calmas com as suas consciências.






quinta-feira, 8 de fevereiro de 2024

 Estamos mesmo em degradação progressiva...

Nunca acreditei na maioria absoluta de um só Partido, e deixei isso registado,  mas nunca pensei que se pudesse assistir a uma tal desorganização das instituições como estamos agora  a constatar. 

Por caminhos destes a nossa 1ª República implodiu... 

O último Governo de António Costa ( ainda em funções graças a uma decisão patética do impagável Marcelo) foi um lamentável chorrilho  de asneiras e de degenerescência governativa. 

De resto a deriva do PS para fora da social democracia segue a trajectória do que sucedeu a esta ideologia tal como à democracia cristã, infectadas pelo virus do liberalismo,  que a União Europeia impõe. Como pequeno exemplo - anda aí um cronista que já foi um graúdo democrata cristão, do CDS, e que escrevia há tempos que a direita ou é liberal ou não é direita - tal vai a democracia cristã, hem?

Neste belos tempos que vivemos por cá,  não passa uma semana sem que haja suspeita de diversos graus de  corrupção entre  titulares de cargos públicos  embora alguns  deles possam ser mais fumaça que fogo - mas alguma coisa há.

A contestação varre todos os sectores de actividade, a impudência dos políticos nos seus confrontos pré-eleitorais começa a cheirar a podre.

A presente situação dos polícias em descarada atitude de desobediência e avisando, pelos dirigentes sindicais, de que podiam vir a ser afectadas as próximas eleições de Março ( mesmo que seja apenas um aviso)é inédita e o mais preocupante de todos os casos; e mesmo que nem todos os agentes quer da PSP quer da GNR, quer dos guardas  prisionais  (e agora até já dos nossos "espiões" de "secreta") estejam ligados à extrema direita, são manipulados por eles que lhes apelam à coerência entre colegas e à defesa dos seus interesses,  legítimos na sua generalidade. Se houve 40 e tal que adoeceram todos no mesmo dia e tiveram baixa médica ( e que médicos...) quem é que garante que em vez de 40 não serão o dobro qualquer dia? Quando eu andava  no ISA também havia em Alcântara um médico que,  deixando lá de manhã  20 escudos, passava os atestados de doença que se podiam levantar à tarde e  permitiam não ir a um exame. Outros tempos, claro...

Antonio Costa foi sempre considerado um grande politico (e talvez seja...) mas é um péssimo governante, e isso ficou patente neste seu último Governo; enquanto teve que ir negociando com os partidos da geringonça, lá foi aguentando umas medidas sociais -  se bem que, na economia  e na ausência de  grandes medidas de futuro, continuasse a deriva liberal que assumiu sempre. Mas com o seu Governo de maioria absoluta entrou em navegação à vista  e de vistas curtas, onde a falta de colegibilidade (acho que inventei esta palavra...) nas decisões foi patente -  de resto os inúmeros casos de entradas e saídas de membros do Governo, a patética  situação que ele deixou criar com o inapto Galamba, etc,etc,  falam por si.

Mas,  de acordo com o que  uma cronista do PUBLICO escrevia há dias,   mais uma prova dessa forma irregular de Costa tomar decisões  em conjunto com todos os membros do seu Governo, foi a decisão de aumentar o subsídio aos agentes da PJ tomada ente ele e a Ministra da Justiça e sem dar conhecimento ao Ministro Carneiro de quem dependem todas  as outras policias. Resultado: esta luta de todas as policias para que os subsídios  sejam os mesmos para todos. Decisões tão sérias são tomadas fora do Conselho de Ministros? Ou pelo menos juntando os ministros mais directamente interessados na matéria? É este o sentido de governabilidade de A. Costa? Sendo tão grande político, não pensou nem previu  que podia estar a arranjar um caso bicudo aumentando só um  ramo das policias?

Na agricultura, e à semelhança da contestação em toda a Europa contra as medidas da PAC, os nossos agricultores protestam contra a ministra como se ela resolvesse alguma coisa ( logo esta !!) - quem resolve, se quiser, é o Costa.

Neste caso europeu, o  pior para o Ambiente e para a Biodiversidade: em vez de a UE aligeirar o uso dos químicos como  forma de baixar os custos de produção e poderem concorrer com as agriculturas de outros  continentes, se a Europa tivesse força devia era impor que esses outros - América do Sul à cabeça-  entrassem numa prática agrícola mais conforme e amiga do Ambiente e da qualidade e pureza dos produtos. Estamos todos à espera que  céu nos caia em cima da cabeça ...mas hoje ainda não é a véspera desse dia, portanto vamos lá dar mais uns lucros de milhões à indústria química poluente...

A atitude de A. Costa nestes meses, impávido perante as contestações generalizadas de todos os sectores das actividades económicas e sociais,  tem sido sobretudo para mostrar ao Marcelo que a culpa foi dele, criando as condições para este pântano. Já houve outros pântanos antes e deram lugar à subida da direita; o pântano  de agora vai  dar lugar  provavelmente (como já se está a ver pelas sondagens) à subida da extrema direita -  que é um caldo perigoso.

Aliás por erros e desvarios das ideologias democráticas da esquerda e da direita  moderadas, por toda a Europa - e alastrando para outros continentes - a extrema direita tem chegado   ao Poder; e quando Trump for eleito nos EUA o panorama ainda se agrava mais, o contágio deve  ser inevitável.




domingo, 28 de janeiro de 2024

Em Portugal...

Quem é democrata de corpo inteiro devia estar preocupado com a deriva da democracia portuguesa.  2023 foi um ano fatídico, em que um Governo de maioria absoluta no Parlamento acaba por cair como dizia o Passos Coelho ( que devia estar calado...) por indecente e má figura, e por muito que nos custe concordar com a  direita radical,  foi mesmo assim. Será  que António Costa, tão elogiado como melhor político português -será que ele não tem consciência do mal que fez à democracia? E ainda vem com artigos de virgem ofendida  para o jornal...

Uma matéria no entanto nos deve preocupar também muito a sério: a força duma espécie de "justicialismo" que nos está a cair em cima das cabeças - sempre que há uma posição ou um facto político relevante dos principais Partidos politicos, eis que sai nessa altura precisa uma acção do Ministério Publico. Quero com isto dizer que não se deve escrutinar e investigar tudo e de forma permanente? Não é isso, é sim o facto da coincidência das tomadas de posição da Justiça em momentos cruciais, nem uma semana antes nem uma semana depois - é exactamente em cima de cada facto.

Cheira a esturro, não? Começa-se a desconfiar que a extrema direita estará infiltrada em vários órgãos da Justiça e das forças de segurança, seja por révanche contra maus salários, seja por desacordo com as infantilidades e actos negativos que os Governos praticam - seja por simples aumento das ideologias desse naipe. Por toda a Europa e até pelo mundo, assiste-se a uma subida  das forças reaccionárias de extrema direita, até em países  onde seria impensável, à primeira vista, que tal acontecesse como a Holanda - para falar só neste.

Quando o guru Fukuyama  continua a dizer que não existe alternativa para o liberalismo, mas reconhece ( numa entrevista ao El País em 2019) que nunca pensou que essa deriva pudesse levar as democracias consolidadas a elegerem um Trump e outros semelhantes, está a pôr o dedo na ferida: há uma deriva liberalista ( digo sempre que liberal somos todos nós, liberalistas são outra  "casta") que leva os países democráticos a terem sucessivas atitudes que negam o social e privilegiam  o mercado -  e das queixas que as populações  apresentam quem tira partido são os da extrema direita, populistas e demagógicos,  que mais tarde. se chegarem ao Pode, ainda vão piorar a situação. Ciclicamente ao longo dos séculos XIX, XX e agora XXI tem sido assim. O último exemplo está a ser a Argentina, onde o patético Presidente vai levar o pais  a uma ruína ainda maior do que aquela onde chegou. E cá pela terrinha aí temos os "chegas" a  apanharem as migalhas das asneiras que o PS tem feito como se aquele bando fosse capaz alguma vez de cumprir as promessas megalómanas que faz todos os dias.

Haverá quem se bata pela mudança? O exemplo da Polónia dá esperança, mas 2024 com o Trump de novo eleito e sabe-se lá quantos mais energúmenos assim vão ser eleitos, vai ser um ano crucial para as democracias do mundo! 

 O inferno no mundo actual

Então não há neste mundo ninguém que trave a guerra suja que Israel  está a fazer na Palestina? Ninguém se impõe, eles fazem o que querem ? E a passividade dos grandes e ricos países árabes - Arábia Saudita, Emiratos, Oman, Barhein etc. ninguém se mexe? Não fazem chantagem, se for preciso, com a ONU e com os EUA? Só fazem chantagem quando se trata de pedir mais dinheiro pelo petróleo?  A atitude  de Israel na Palestina é a de genocídio. O que os judeus sofreram com os nazis nos anos 40 do século XX estão agora os novos nazis judeus a fazer aos palestinianos,  com a hipócrita desculpa de quererem acabar com  Hamas- mentira,  o que eles querem é ficar com a Palestina por sua conta, toda a Palestina. Terra queimada, tudo arrasado desde mesquitas, hospitais, escritórios da ONU,  escolas, tudo, para custar uma fortuna colossal reconstruir de novo o país. 

Depois queixem-se de anti semitismo, pois se até colheram a inevitável  simpatia após a barbaridade cometida pelo Hamas ( outra forma de nazismo mais grave ainda por ser em nome de Alá, o deus de milhões  de seres humanos), estão agora a revitalizar ódios  antigos contra os judeus - e há milhares de judeus em todo o mundo, até a viverem em países muçulmanos que não têm culpa nenhuma - o sionismo é um imperialismo reaccionário do pior que existe ao cima da Terra.













sexta-feira, 12 de janeiro de 2024

 2024 começou mal, como tinha acabado 2023

Afinal não escrevi memórias logo no dia seguinte; falta vontade para estar apenas a recriminar o que se passa e pouco ou nada contribuir para alterar a situação.  Nenhum de nós pode fazer mais do que protestar  por escrito ou em "manifs" das quais se apagam logo as repercussões.

Cá por esta casa lusitana esperamos para ver. 

Se o PS arrumou para já as suas contradições, mesmo que Pedro Nuno Santos seja como diz o Montenegro um gonçalvista, um radical perigosíssimo, nos outros Partidos a situação estará por  resolver - e é nos Partidos que repousa, e ainda bem, a nossa vida democrática. No PSD, se tiverem ainda vergonha, nunca mais voltem a invocar Sá Carneiro e os fundadores do PPD; eu nunca falei com Sá Carneiro, mas sim com outros. em especial o Magalhães Mota.

Com este  convivi, quer nas viagens em que ele representava o PPD no IVº e VIº Governos, quer porque tinha escritório na Rua Filipe Folque mesmo em frente ao atelier do GRTelles onde eu trabalhava; por baixo havia um café onde nos encontrávamos com  regularidade e, até porque ambos fumávamos cachimbo, havia sempre motivos para conversa. E ele era 100% democrata, o PPD só não se filiou na Internacional Socialista porque  Mário Soares se movimentou e não deixou que isso acontecesse. 

Depois de um  Rui Rio  pouco arrojado mas sério, surge este Montenegro que é um primário que aflige; não consegue dizer senão baboseiras e pergunta-se quem é que acredita num tipo destes para  primeiro ministro?! O extremismo agudiza-se no PSD em direcção a uma direita radical, e na sombra paira o Passos Coelho, que julga que as pessoas se esquecem do que foi aquele seu mandato inicial. Atiraram-no para chefiar um governo sem ele ter preparação ( deve ter lido à pressa umas cartilhas liberais) e a sorte dele foi ter a troika com um programa neoliberal acirrado, que ele ainda achava ser curto e queria ir além...Lembro essas palavras patéticas, porque hoje ele será muito pior e o tom não engana. Ter-se referido a António Costa que era ( e ainda é...) primeiro ministro como de "indecente e má figura" diz da sua educação e civismo. Só comparável com o lidere da IL, um sacripanta temível se chegasse ao poder.

A IL é muito mais perigosa que o Chega, este não passa de um apanhador de migalhas de todas as queixas que as pessoas fazem nas ruas - e ele, o Ventura, resolve-as todas. Se com Cotrim de Figueiredo existia uma certa contenção, com o actual lidere  Rui Rocha está-se no pior dos liberalistas, os libertinos... IL tem uma estrutura  mental radical e organizada e, como todos os neoliberais, procura apanhar o comboio que há décadas perdeu  em grande parte pela acção quer da esquerda democrática quer da democracia cristã - só que estas têm vindo a ser infectadas pelo virus da hidra liberal. Mesmo assim a deriva liberal é notória em todo o mundo. Veja-se o que a União  Europeia vai instigando nos Estados  membros.

Em Portugal o PS por força das alianças dentro da geringonça ainda promoveu uma política assistencialista de cariz social e assim satisfez as exigências do PCP e do BE- mas de resto a economia continuou aberta às  políticas liberais em prejuízo de uma economia social que deveria ser apanágio da esquerda democrática -mas não é!!  Os sectores primário e ambiental têm sido completamente arrasados pelas práticas que apoiam e favorecem as grandes empresas  da agro-indústria  e as celuloses - e o ambiente sacrifica tudo o que é biodiversidade a favor de facilitismos economicistas privados.

O domínio do privado nas decisões que o PS tem tomado  não satisfazem totalmente a ganância da IL, mas aproxima-se.... 

O neoliberalismo  prejudica a democracia há décadas. Desde a patetice do Fukuyama que, com a queda do muro de Berlim, afirmou que era o Fim da História das ideologias  e agora só existiria a ideologia do mercado, ele previa que a queda do comunismo eliminaria o último obstáculo que separava o mundo inteiro do liberalismo e do mercado livre.  Tal não aconteceu na totalidade mas teve grande grande importância -  as Administrações de Reagan e de Tatcher foram exemplos desse crescendo neoliberal que subverteu  a realidade social e veio permitir que, por exemplo nos EUA, aparecesse o fenómeno Trump.

O Prof. Joseph Stiglitz, Prémio Nobel  da Economia em 2001, foi bem claro ao escrever em 2019: "O neoliberalismo prejudica a democracia há 40 anos" e acrescenta - "Após 40 anos os números estão ai: o crescimento económico diminuiu e os frutos desse crescimento foram na sua esmagadora maioria para um punhado que está no topo. À medida que os salários estagnavam e o mercado de acções subia, o rendimento e a riqueza espalharam-se para os mais ricos, em vez de se espalharem para os mais pobres."

Há uma vaga esperança que Pedro Nuno Santos dê uma inflexão do PS para as suas raízes social-democratas de esquerda mas nem é certo que ele seja mesmo capaz de o tentar nem que o resto dos que o  rodeiam o deixem  fazer. O mercado e  os interesses instalados são muito poderosos e vão reflectir-se nas eleições -  a deriva liberal vai ressurgir com força. Com o PSD então é limpinho!

Lá por fora o ano começou muito mal, com a Ucrânia a sofrer a guerra obscena  imposta pelo neo-czarismo soviético, na Palestina a vingança sionista é uma afronta ao século XXI, sem desculpas,  e só a rendição do Ocidente aos dinheiros judeus pode justificar que nada ainda tenha sido feito - nada!!- para pôr fim a esta guerra. 

Cá por casa esperemos para ver...






quarta-feira, 3 de janeiro de 2024

É inevitável pensar no novo  ano...

Este ano o mundo vai ficar cada vez pior. as guerras,  a fome, as emigrações, a seca, os terramotos ( a Terra não dorme) os ciclones, os vulcões, o crescimento dos fascismos mesmo que encapotados, tudo vai continuar e piorar. Não é pessimismo da minha parte, é apenas olhar para o que se passa.

Pode parecer falsa piedade mas nestes dias de fartura em nossas casas eu lembrei-me constrangido dos milhões de seres humanos como eu que à mesma hora estavam a morrer estilhaçados por bombas, expostos ao frio em tendas sem qualquer conforto, roendo côdeas  se é que as encontraram -  e se calhar não devia mesmo escrever isto porque pouco ou nada tenho contribuído para que as coisas mudem. Não mudam.

E 2024 vai ser um ano terrível de injustiças. falta de liberdade e de direitos elementares. Quem dera que me enganasse.

O sacripanta do Putin vai continuar a atravessar os salões czaristas abrindo-se-lhe, à frente do seu passo estugado, os enormes portões dourados para vincar bem vincado que ele é o maior, todos se curvam  à sua passagem e perante a sua palavra. O povo russo nunca conheceu outra coisa. Mas agora querer reconstruir o império soviético, única justificação para a guerra obscena que está a ser feita na Ucrânia ( sem desculpa para o que de mal existe nela, como em todos os países) é inaceitável.  E a NATO que estava moribunda, que a muitos de nós parecia uma excrescência dos tempos da Guerra Fria, afinal foi ressuscitada pela Rússia e aumentou o poderio pois todos os países da ex URSS que ainda são independentes de Putin nem querem sequer admitir o contrário.

Depois vem o genocídio praticado por Israel na Palestina. Se esta condenação for  interpretada como apoiando o Hamas, é falso, nada o justifica a não ser o radicalismo islâmico ( será financiado só pelo Irão? Da Arábia saudita nunca vieram terroristas?...). Enquanto os Governos do Ocidente e mais alguns das nossas democracias não impuserem pela ONU um fim a esta guerra praticada pelos sionistas de extrema direita,  enquanto não houver uma vontade geral para  travar o sadismo da guerra contra o povo palestiniano, vamos continuar a assistir a esta carnificina, onde já morreram mais de 20 000 civis  inocentes e alguns terroristas, uma bagatela face ao morticínio  geral. O sionismo é assim , quero lá saber se sou acusado de anti-semitismo, mas não sou contra o judaísmo como não sou contra op islamismo ou o cristianismo,  _ sou ferozmente contra os sionistas que ao longo da História foram culpados pelo comportamento anto social dos judeus e pela dispersão do povo judeu.

É jactância, eu sei, mas estes poucos países que conseguem ter democracia, com defeitos mas democracia,  somos uns privilegiados: é mesmo uma questão de superioridade moral nossa, digam o  que disserem. Poder falar, escrever, reunir, discutir, insultar e ser chamado  aos tribunais, tudo isto apesar da pouca vergonha em que se transformaram as redes sociais onde o insulto é gratuito e sem penalização. A mim podem lá escrever o que quiserem que eu nem sei nem responderei se alguém me chamar a atenção - quando as redes sociais se transformarem em instituições decentes e reguladas, como qualquer comunicação social, nessa altura (que nunca chegará...) pode ser que eu adira.

falar do resto do mundo, das misérias e morticínios que ocorrem do erguer de novos fascismos um pouco em todos os continentes, quero crer que seja uma crise passageira -   a Polónia já conseguiu livrar-se, outros países ocidentais vão ser capazes de seguir o exemplo...

Amanhã escreverei memorias sobre o que se passa cá dentro...